Anúncio

Estamos em um novo ciclo de quatro anos até o próximo mundial, desta vez a Copa do Mundo de 2026 vai ter muitas novidades com relação aos formatos que já aconteceram.

Quer descobrir todas as novidades que vamos ter em 2026?

Então fica ligado até o final deste artigo que vamos passar por todos os detalhes que sabemos até agora.

 

Anúncio

Fim de um ciclo no Catar

 

Você já deve saber que a Copa do Mundo de 2026 vai ser disputada em três países sede e contará com 48 seleções, mas têm outras mudanças em relação ao Mundial realizado no Catar que precisa saber.

Para falar de 2026, vamos voltar um pouco no último mundial disputado no Catar.

A Copa do Mundo realizada no Catar teve recorde de investimentos, cerca de R$ 1,2 trilhões foram investidos para realização do evento pelo país sede.

Esse custo se reverteu no bolso do torcedor que encontrou preços altos, apesar da logística bem facilitada por conta do tamanho do país.

O saldo no final do evento foi positivo para a Fifa, que conseguiu em 2022 a quarta maior média de público da história.

Por outro lado, a política do Catar não facilitou as coisas, principalmente em questão dos direitos LGBTQIAP, das mulheres e dos trabalhadores imigrantes.

 

Copa do Mundo de 2026

 

Vamos listar as diferenças entre o mundial disputado no Catar para a próxima edição que será realizada nos Estados Unidos, Canadá e México.

 

Formato da competição

 

A começar pelo formato, desde 1998 a Copa do Mundo vem sendo disputada com 32 participantes divididos em grupos de quatro seleções, os dois primeiros avançam para o mata-mata.

Na edição da Copa do Mundo de 2026, serão 48 vagas e o formato de disputa ainda está sendo discutido pela Fifa.

Até o momento as vagas estão divididas da seguinte maneira: a Ásia terá oito times e um pode participar da repescagem; a África tem direito a nove e um na repescagem.

A América do Norte e Central tem direito a seis vagas e mais uma na repescagem, a mesma quantidade para a América do Sul.

Enquanto a Europa pode classificar 16 seleções e a Oceania tem direito a uma vaga direta.

 

Distâncias continentais

 

Enquanto no Catar a maior distância de um estádio até o outro era de 68 quilômetros, a edição da Copa do Mundo de 2026 volta a enfrentar os desafios de distâncias continentais, que aconteceram em 2014 no Brasil e em 2018 na Rússia.

A maior distância entre estádios na Copa do Mundo de 2026 vai ser 70 vezes maior do que aconteceu no Catar. São quase 5 mil quilômetros que separam Vancouver, no Canadá, até a Cidade do México.

Ainda não temos nenhuma confirmação de como serão distribuídos os jogos entre as 16 cidades sedes. Ao que tudo indica, é possível que aconteça o mesmo ocorrido em 2002 quando o Mundial foi dividido entre Japão e Coreia do Sul.

É provável que uma seleção jogue todas as suas partidas da fase de grupos na mesma região para evitar grandes deslocamentos.

 

Infraestrutura da Copa do Mundo de 2026

 

Em 2022, o Catar fez a Copa do Mundo mais cara da história, com cerca de 1,2 trilhões de reais investidos em estádios, rodovias, metrô e até uma cidade inteira.   

A cidade de Lusail, onde foi disputada a final entre França e Argentina, foi construída do zero para receber o maior evento de futebol do mundo.

Em 2026, podemos esperar um cenário bem diferente em questão de investimentos em infraestrutura. Mesmo que Estados Unidos, Canadá e México tenham tradições bem diferentes com relação ao futebol, todos têm algo em comum, estádios muito preparados para receber a Copa do Mundo.

Comparado ao Catar, poucos investimentos precisam ser feitos.

 

Preços para acompanhar a Copa do Mundo

 

Quem resolveu se aventurar no Catar para acompanhar a Copa do Mundo teve que gastar um bom dinheiro para isso.

Estima-se que para passar 10 dias no Catar e acompanhar os jogos, cada torcedor teve que gastar em média 30 mil reais.

Uma pessoa para se hospedar no Catar não poderia optar por lugares mais baratos, como hostel ou AirBnB, todas as opções eram limitadas aos estabelecimentos oficiais da Fifa.

Para acompanhar a Copa do Mundo de 2026 também não vai ser muito barato, mas se espera que haja uma flexibilidade maior para que cada pessoa consiga estar lá à sua maneira.  

Apesar de que em 2026 os torcedores vão precisar gastar mais com passagens aéreas, porém os custos com alimentação e hospedagem serão bem menores.

Luiz Gustavo Siqueira

Luiz Gustavo Siqueira