Anúncio

A Volkswagen divulgou no dia 27 que vai parar temporariamente a produção de veículos em suas fábricas localizadas em São José dos Pinhais (PR), São Bernardo do Campo e Taubaté (SP).

A razão legal pela empresa é a estagnação do mercado. A fábrica no Paraná já está operando em apenas um turno desde o início deste mês. 

Apesar das medidas anunciadas pelo governo federal em 25 de maio, que têm como objetivo incentivar a compra de carros populares, os resultados ainda não têm refletido de forma positiva nas vendas de carros.  

Volkswagen anuncia paralização da fábrica no Brasil
Fonte: (Google Imagens) Volkswagen anuncia paralização da fábrica no Brasil

Por quanto tempo terá essa paralisação da Volkswagen 

No comunicado, a Volkswagen deixou claro que as medidas de flexibilização terão impacto nos funcionários de acordo com o acordo coletivo assinado com o sindicato e os trabalhadores. 

Anúncio

Na fábrica de São José dos Pinhais (PR), responsável pela produção do SUV T-Cross, o turno que já está em layoff desde 5 de junho continuará nessa situação por um período de dois a cinco meses. 

 O outro turno teve sua interrupção iniciada nesta semana, entre segunda-feira (26) e sexta-feira (30), utilizando o banco de horas como regime de compensação. 

Em relação à fábrica de Taubaté (SP), onde a Volkswagen produz os modelos Polo Track e Novo Polo, também será adotada a flexibilização por meio do banco de horas durante esta semana.  

Já na unidade de São Bernardo do Campo, responsável pela fabricação dos modelos Novo Virtus, Novo Polo, Nivus e Pica Saveiro, a empresa programou férias coletivas de dez dias a partir de 10 de julho para os dois turnos de trabalho. 

Recurso do governo disponibilizou para empresas Automotivas 

Apesar das medidas adotadas para estimular o aumento das vendas de carros, as paralisações nas fábricas da Volkswagen ocorrem em um momento em que os incentivos do governo resultaram em um aumento significativo, de 260%, nas visitas às concessionárias no Brasil, de acordo com a Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores). 

Na última atualização do programa do governo, quase 90% dos créditos destinados ao programa de incentivo para carros populares já haviam sido utilizados pelos fabricantes, movimentando mais de R$ 420 milhões em um período de três semanas. O montante inicial disponibilizado para veículos era de R$ 500 milhões. 

Caso os fabricantes continuem solicitando créditos no mesmo ritmo, é possível que os R$ 500 milhões se esgotem antes mesmo da abertura das vendas de automóveis e níveis comerciais para locadoras, que foi prorrogada em 15 dias. 

Luiz Gustavo Siqueira

Luiz Gustavo Siqueira